Por que gostamos da música que ouvimos?

Nosso gosto musical realmente tem origem cultural e não há porque pensar que é algo do cérebro desde que nascemos. Essa é a conclusão de um estudo publicado na última semana pela revista Nature.


Pesquisadores do MIT e da Universidade de Brandeis nos EUA conduziram esse estudo que envolveu mais de 100 índios de uma tribo remota da Amazônia boliviana – Tsimane. Eles vivem bem isolados e não recebem influência da música que as pessoas da cidade são expostas mesmo inconscientemente.

Intervalos de acordes dissonantes e consonantes eram apresentados e eles tinham que dar uma nota para o quanto cada um deles os agradava. Um exemplo de intervalo consonante, para muitos considerado “agradável ao cérebro”, é do dó maior para o sol maior, um intervalo de quinta. Esses são intervalos utilizados pela esmagadora maioria da música ocidental. Já os intervalos dissonantes, a quarta aumentada é um exemplo – dó maior para o fá sustenido – são muito pouco usados e até já foram considerados pela igreja católica como elementos musicais do capeta.

E não é que para os índios intervalos consonantes ou dissonantes não faziam diferença. Isso desconstrói a tese defendida por muitos que o cérebro nasceu batendo palmas aos intervalos consonantes. É interessante que os índios conseguiam categorizar dissonantes e consonantes como dois tipos de som.

Os mesmos testes foram aplicados a moradores de uma pequena cidade nas proximidades da tribo Tsimane, a moradores de La Paz e americanos músicos e não músicos. Os bolivianos da cidade deram uma discreta preferência aos acordes consonantes. Entre os americanos a preferência foi maior, especialmente entre os músicos.

Confira o áudio da coluna Cuca Legal, uma parceria do ICB com a Rádio CBN Brasília: