Medalha de ouro para o melhor sistema cerebral de dopamina

O que você imagina que tem de diferente entre o seu DNA e o de Michael Phelps? A resposta em parte está em um gene do sistema de dopamina no cérebro.


Cientistas têm buscado há tempos um marcador genético que diferencie os atletas de elite dos amadores. Pesquisadores da Universidade de Pádua na Itália demonstraram recentemente que esse marcador não está associado nem à capacidade aeróbica nem à eficiência muscular. A diferença foi encontrada em genes que controlam a capacidade de transporte de dopamina no cérebro. Esse é um neurotransmissor responsável pela experiência de recompensa e prazer, além da capacidade de lidar com o estresse e suportar a dor.

Eles analisaram o DNA de 50 atletas com alto desempenho em Jogos Olímpicos ou outras competições internacionais e outros 100 atletas não profissionais. A análise foi direcionada a quatro diferentes genes que já tinham alguma evidência de ter alguma associação com habilidade atlética.  E foi um gene associado ao transporte de dopamina no cérebro que foi diferente nos atletas de elite. Uma das variantes desse gene chegou a ser cinco vezes maior nesse grupo de atletas.

Estudos animais já haviam demonstrado que a presença desse gene está envolvida com atividade motora mais eficiente, melhor gasto energético e comportamento de busca de recompensas. Estudos conduzidos em 2012 evidenciaram que o mesmo gene está associado a comportamentos de risco entre esquiadores. E comportamentos de risco podem fazer diferença na chance de uma medalha de ouro.

 

Confira o áudio da coluna Cuca Legal, uma parceria do ICB com a Rádio CBN Brasília: