Inalação de gás carbônico pode ser um tratamento eficaz para a enxaqueca.

Sabemos há algumas décadas que a inalação de gás carbônico poder ser um aliado no combate as crises de enxaqueca. Recentemente, pesquisadores dinamarqueses desenvolveram um dispositivo que se mostrou seguro e com boas chances de melhorar a vida de quem sofre de enxaqueca.


Estudos de fluxo sanguíneo cerebral apontam que as artérias do cérebro se contraem nas fases iniciais de uma crise de enxaqueca sugerindo que essa redução de fluxo, e menor oferta de oxigênio ao cérebro, possam ser fatores que colaboram para o desenvolvimento de uma crise. Estudos experimentais realmente mostram que essa redução de oxigênio é capaz de provocar dor de cabeça em quem costuma ter enxaqueca e até mesmo entre as pessoas que não sofrem dessa condição.

Pesquisas também demonstram ainda na década de 1950 que a inalação de gás carbônico, que provoca dilatação das artérias, é capaz de abortar crises de enxaqueca. Entretanto, os dispositivos de inalação utilizados nos experimentos não são nada amigáveis para o uso fora do laboratório.

Pesquisadores dinamarqueses acabam de publicar no periódico Cephalalgia da Sociedade Internacional de Cefaléia os resultados preliminares do uso de um novo dispositivo para inalação de gás carbônico que as pessoas com enxaqueca poderiam utilizar facilmente em casa. O dispositivo mostrou-se seguro e aumentou o fluxo sanguíneo em 70% em pacientes no início de uma crise de enxaqueca. Cerca de 80% dos pacientes estudados tiveram boa resposta no controle das crises, sem efeitos colaterais significativos e com início de ação já nos primeiros segundos da inalação.

O equipamento já está sendo produzido pela empresa dinamarquesa BalancAir, mas antes de passar para o dia a dia da prescrição médica, novos estudos deverão ser realizados com maior número de pacientes para confirmar esses resultados iniciais.

 

 

Confira o áudio da coluna Cuca Legal, uma parceria do ICB com a Rádio CBN Brasília: