Esperança no tratamento preventivo da enxaqueca

Novos estudos demonstram que o uso de anticorpos monoclonais tem eficácia superior ao de medicações que são usadas atualmente para o tratamento da enxaqueca.


Anticorpos monoclonais anti-peptídeo relacionado ao gene da calcitonina (CGRP) é um alvo conhecido no tratamento da enxaqueca e dois estudos recentes demonstraram eficácia superior aos de medicações que são usadas atualmente para o tratamento profilático da enxaqueca.

O CGRP é um neurotransmissor vasodilatador largamente encontrado na corrente sanguínea de pacientes que sofrem de enxaqueca e os anticorpos desenvolvidos inibem a atuação dessas moléculas nas células do sistema trigeminal do cérebro, hoje reconhecidas como o calcanhar de aquiles da enxaqueca. Esses novos medicamentos têm sido comparados a mísseis guiados inteligentes para o controle das crises de enxaqueca. Estudos mais robustos já estão em andamento para confirmar os resultados iniciais de eficácia e segurança.

Temos evidências de que o CGRP ter importante na transmissão da experiência dolorosa e que também participa da regeneração de injúrias do sistema nervoso central e periférico. Além disso, sabemos que o CGRP tem receptores espalhados por todo o nosso corpo e colabora para a homeostase do sistema cardiovascular, respiratório, imunológico, endocrinológico e gastrointestinal. Os anticorpos monoclonais desenvolvidos para o controle da enxaqueca podem ter outras aplicações no futuro para condições clínicas como hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, síndrome do intestino irritável e infecções generalizadas.