Acordar antes de atingir o sono profundo aguça a criatividade em até três vezes

Precisamos de atingir o sono profundo para sentir no outro dia que o sono foi reparador. Entretanto, acordar antes de aprofundarmos o sono faz com que o cérebro fique mais esperto.


Thomas Edison inventou a lâmpada e tinha um estranho hábito de dormir numa cadeira segurando duas bolas de aço. Quando adormecia ele acordava com o barulho das bolas e defendia que isso o fazia resolver problemas complexos que não tinha sido capaz de resolver quando em vigília.

Um estudo acaba de ser publicado na revista Science Advances mostrando que que Edison tinha razão. Voluntários que despertavam na transição entre a vigília e o sono superficial, antes de iniciar o sono profundo, tinham uma capacidade até três vezes maior de resolver problemas matemáticos. Esse benefício não era observado imediatamente ao acordar, mas já ia se revelando após 30 minutos.

O período dessa transição é curto, mas ganhar consciência nesse momento pode trazer um maior insight em questões ainda não respondidas. Podemos chamá-lo de “janela criativa”, um estado de consciência que dá acesso a conteúdos inacessíveis na vigília (experiências hipnagógicas) e menos acessíveis ainda no sono profundo. E o cérebro trabalha e muito durante o sono. É quando consolidamos nossa memória e agora temos esse fenômeno criativo demonstrado.

O estudo, conduzido por pesquisadores franceses envolveu mais de cem voluntários sem qualquer dificuldade em induzir ou manter o sono. Aqueles que não conseguiam resolver problemas matemáticos na vigília eram submetidos à mesma tática de Edison: relaxar numa poltrona reclinável segurando um objeto. A história aponta que gigantes como Albert Einstein, Alexandre o Grande e Salvador Dali eram simpatizantes dessa tática. E então? Vai experimentar?

 


*Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e diretor clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

 
 
 

Confira o áudio da coluna Cuca Legal, uma parceria do ICB com a Rádio CBN Brasília: